Cannabis medicinal na terceira idade. Como o a planta pode ajudar nesta fase da vida?

Cannabis medicinal na terceira idade. Como o a planta pode ajudar nesta fase da vida?

Como muitos já sabem, o CBD – canabidiol – tem forte evidências neuroproterora e anti-inflamatória e suas ações em na dor crônica, ansiedade e problemas de sono tem sido muito satisfatória.

Ao contrário do THC, o CBD provoca seus efeitos farmacológicos sem exercer qualquer atividade intrínseca significativa em CB1 e CB2, embora haja algumas evidências emergentes sugerindo que pode atuar como um modulador alostérico não competitivo, negativo de CB1. Supostamente o CBD age por outros alvos, incluindo o bloqueio da atividade de FAAH, resultando em um aumento nos níveis de anandamida, pela ativação do canal TRPV1, pela inibição da captação de adenosina por ser um agonista indireto, pela ação agonista dos receptores 5-HT1A, pela modulação alostérica positiva de receptores de glicina, como antioxidante e captador de espécies reativas de oxigênio, bem como regulando a homeostase do cálcio via troca mitocondrial deste pelo sódio.Tais efeitos do CBD nessas moléculas evidenciam a promissora ação terapêutica para promoção de efeitos anti-inflamatórios, analgésicos, antieméticos, antipsicóticos, anti-isquêmicos, ansiolíticos e antiepiléticos.

O uso da Cannabis sativa, principalmente em idosos com a sintomatologia de patologias como Alzheimer e Parkinson tem sido muito promissor. Importante ressaltar que esta é uma estratégia que merece vários estudos e acompanhamento, e que ainda sem evidência de prevenção direta ou modificação da origem fisiopatológica da doença. Porém os benefícios da cannabis não se limitam a essas patologias, sabe-se que a cannabis é um excelente sintomático que pode ser utilizados no tratamento de outras enfermidades.

Artigo desenvolvido por Margarete Akemi Kishi & Dr. Laerte Rodrigues.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin